fbpx
Role para cima
©2022. Aigen Soluções Digitais

Papo Reto: A formação para além da sala de aula - Ep. 5

Hoje nosso papo reto é com a nossa Designer, a Fernanda! A Fer trabalha há quase 3 anos na área e está sempre fazendo diversos cursos para aprender mais e mais sobre design e as áreas correlatas, que poderão dar a ela uma visão mais completa a respeito do universo digital, onde trabalhamos.

Por Redação

07/12/21

papo reto fernanda

Com apenas 21 anos, ela tem muita experiência e conhecimento. Além de trabalhar com design na Aigen desde fevereiro de 2019, ela já cursou “Técnico de Comunicação Visual”, na ETEC Polivalente de Americana e hoje cursa Design, na UNESP de Bauru, além dos diversos cursos feitos à parte, como comentamos acima. 

Se você deseja cursar ou está cursando design, esse papo reto é especialmente para você! Confira nosso bate-papo e aproveite! 

 

(A) Qual a importância do Design e qual o futuro da área para você?

(F) Um ponto interessante, que é até que um pouco engraçado, é que as pessoas acreditam que o design está relacionado a aparência e que aplicar design em algo é embelezar o produto. 

Muitas vezes as pessoas aparecem com a ideia pronta, tudo montado e apenas dizem “olha, agora preciso que você deixe isso bonito”. Realmente, o design está relacionado a estética visual, mas ele vai MUITO além disso… se pegarmos a tradução ao pé da letra da palavra, veremos que design significa “projeto”, um plano ou esquema que possa ser realizado, com origem lá na revolução industrial quando máquinas começaram a substituir a mão de obra dos artesãos, contudo agora as empresas necessitavam de um intermediador da máquina e produto, alguém que projetasse os produtos que seus usuários utilizam e é aí que surge o designer. 

Embora a década de 20 tenha passado há muito tempo, a cada dia, pessoas no mundo inteiro surgem com novas ideias para melhorar a nossa experiência de vida na Terra. Por este motivo, o papel do designer é cada vez mais requisitado e, acredito que também, será cada vez mais valorizado, isso porque as pessoas querem resultados reais para as suas ideias (quem gosta de desperdiçar money?) e já estão percebendo algo que Ralf Speth, CEO da Jaguar Land Rover, disse: “se você acha que o bom design é caro, você deveria ver o custo do design ruim”.

 

(A) Qual o maior impacto de expectativa x realidade que você sentiu quando começou a trabalhar na área que se formou?

(F) Como entrei no mercado de trabalho da área antes de entrar na faculdade, eu não senti muito essa expectativa x realidade porque eu conheci primeiro a realidade. 

Mas algo que percebo é que em algumas aulas ainda temos modelos engessados, que podem criar expectativas no estudante, quando na realidade o mercado de trabalho é muito mais dinâmico. Quem se prende muito a um modelo a ser seguido, muitas vezes, acaba perdendo mais tempo com burocracias do que o investindo para alcançar resultados reais.

 

(A) Na vida profissional, o que mais te surpreendeu e o que mais te decepcionou?

(F) O que mais me surpreendeu é que eu estava errada sobre o que eu imaginava que era design e o que mais me decepcionou foi estar errada (hahaha). Essa decepção me fez perceber como eu conheço muito pouco das coisas: muitas vezes achamos que algo é de tal jeito quando na realidade é totalmente diferente. 

Mas algumas dores vem em favor da nossa própria evolução, porque foi a partir dessa frustração que eu me dispus a aprender mais e conhecer novas percepções e experiências de outros profissionais. Hoje em dia não consigo me ver atuando como designer sem estar buscando aprender algo novo.

 

(A) qual sua maior afinidade e menor afinidade em relação à sua área?

(F) Com certeza a maior afinidade é a flexibilidade, eu amo a dinâmica que essa área pode oferecer… tanto na parte de horário de trabalho quanto até mesmo na execução dele, inclusive esse é um ponto que valorizo muito aqui na Aigen. 

A minha menor afinidade é muitas vezes as minhas próprias expectativas que deposito nos projetos… É essencial separarmos o nosso pessoal do profissional porque muitas vezes queremos fazer mil coisas e nem sempre é aquilo que o projeto realmente necessita.

 

(A) Quais as características que um bom designer deve ter para atuar na área?

(F) Acredito que, de todos adjetivos possíveis, o mais essencial é a curiosidade. Muitas vezes iremos trabalhar com projetos que não temos nenhum conhecimento sobre aquele segmento ou então algum projeto em específico pode necessitar da execução de um serviço que você não domina. Por isso, para mim, a curiosidade é indispensável já que ela irá te instigar a ir atrás de respostas, de conhecer mais sobre aquele assunto. Quem tem curiosidade, sente prazer em aprender algo novo. Por isso, seja uma eterna criança perguntando os porquês e comos das coisas 🙂

 

(A) Como você concilia (arranja criatividade) para produzir tanto na faculdade quanto no trabalho, ao mesmo tempo?

(F) A criatividade, assim como a maioria das coisas na vida, é algo que precisamos exercitar para ter. De modo geral, aquela famosa frase “nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” resume bem a fonte da criatividade. Ter um bom repertório de inspirações me ajuda demais durante o processo criativo, você pode analisar o que outras marcas e profissionais estão fazendo e criar um feijão com arroz ou algo fora da caixa, tudo irá depender da ideia e orçamento do projeto. Uma forma que uso para criar meu repertório é acompanhar newsletters, perfis no Instagram de marcas e profissionais, visitar plataformas (como Behance, Dribbble), fazer cursos e parar para analisar qualquer coisa que me chame a atenção, inclusive as pessoas “comuns”. Quando você vive de design é praticamente impossível não notar o mundo a sua volta com olhos mais analíticos e, até mesmo, contemplativos 🧡.

E aí? Gostou desse bate-papo? Se você tem dúvidas ou perguntas pra Fer, mande uma mensagem para nós nas mídias sociais! Vem crescer com a gente 🙂

Postar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *